O Brasil é um país continental e, por isso, possui diversos níveis de maturidade em data centers. Há hoje, empresas que já estão completamente na Nuvem Pública, em localidades remotas com data centers próprios para suas operações, e também diversas empresas explorando e descobrindo sua jornada para a cloud. Atuando há 32 anos no Brasil, a Oracle oferece soluções flexíveis no modelo de deployment com tecnologias de armazenamento de dados e analytics, por meio de modelos de aquisição, aluguel, cloud pública no data center do cliente ou em seu data center.

Para a multinacional norte-americana, o mercado brasileiro de data center é super relevante, no que diz respeito a participação na América Latina. "Nossos primeiros data centers na região foram instalados no Brasil. Com eles, diversos clientes com subsidiárias na América Latina puderam ter acesso aos nossos serviços de nuvem. Além disso, ano passado anunciamos nosso terceiro data center, inaugurando nossa segunda geração de nuvem – OCI (Oracle Cloud Infrastructure) da América Latina no Brasil. Mais moderno e robusto no que diz respeito a cloud enterprise ou nuvem corporativa para ambientes de missão crítica das empresas", conta o vice-presidente de Sistemas, Oracle Brasil, José Eduardo Ferreira, que em entrevista fala mais sobre a atuação da Oracle no país. Confira.

DatacenterDynamics: Quantos data centers a Oracle possui no Brasil?

José Ferreira: A Oracle possui dois data centers e um terceiro em construção no Brasil. O objetivo é atender demandas de cloud de clientes com infraestrutura de última geração, chamado de Oracle Cloud Infraestructure Gen2 e serviços de Oracle SaaS (Software as a Service

DCD: Em quais cidades os data centers estão instalados?

J. F.: Todos os três data centers da Oracle no Brasil estão instalados no Estado de São Paulo.

DCD: Os data centers contam quais certificações?

J. F.: Os data centers da Oracle no Brasil contam com diversas certificações. São elas:

GDPR - General Data Protection Regulation;

ISO/IEC 27001:2013 - International Organization for Standardization 27001

SOC 1 - System and Organization Controls 1

SOC 2 - System and Organization Controls 2

E podem se consultadas no site da empresa no https://www.oracle.com/cloud/cloud-infrastructure-compliance/

DCD: A Oracle já vem adotando alguma estratégia de Edge Computing?

J. F.: A proliferação de dispositivos de IoT (Internet das Coisas) vem possibilitando análises e tomadas de decisão em tempo real. Mas quando essa análise não exige nenhum espaço para latência ou nano segundo de tempo de resposta adicional, a Edge Computing se faz necessária, como exemplo podemos citar os carros autônomos. Cada vez mais estamos introduzindo inteligência em nossos data centers como banco de dados autônomo (Oracle Autonomous Database) para cada vez menos a latência da nuvem pública não ser um inibidor mesmo para as soluções que necessitem de análise em tempo “imediato”. Mas dispositivos como Exadata Cloud Customer permitem que essas empresas usem o mesmo dispositivo da nuvem pública, dentro de seu data center, inclusive em um mesmo modelo comercial.

DCD: Quais serão as principais tendências para o setor de data center em 2020?

J. F.: As tendências para os data centers para 2020 é a adoção da nuvem em todos os sentidos. Os clientes e principalmente seus times de TI estão expandindo suas habilidades e processos para acomodar workloads híbridos que maximizam o valor para o negócio, seja o modelo de deployment: cloud pública, privada e on premise. Por um lado, os times de desenvolvimento estão trabalhando em arquiteturas de nuvem nativa e automação, (ex: Docker, Kubernetes e Terraform). Essas cargas de trabalho híbridas ou em nuvem pública também trará uma grande demanda por segurança. E nós da Oracle com a segunda geração de nuvem pública, Oracle Cloud Infrastructure (OCI), oferecemos múltiplos recursos de segurança. Além da Oracle ofertar a extensão de seu Oracle Cloud Infrastructure para o data center dos nossos clientes, permitindo a adoção de cloud computing de uma forma ainda mais simples.