Em meio à pandemia, a Oracle entra no combate a pandemia de Covid-19, doando capacidade de processamento de supercomputadores em nuvem para o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O objetivo da doação é apoiar um projeto da plataforma “Rede Vírus”, iniciativa do MCTIC, através de uma combinação de técnicas computacionais  de acoplamento molecular e dinâmica molecular, validado por ensaios in vitro,  permitindo selecionar compostos potencialmente interagentes, minimizando a ocorrência de acertos de compostos falso-positivos.

A computação de alto desempenho baseada em CPU e GPU é essencial para acelerar essas pesquisas para fornecer compostos que podem representar tratamentos potenciais contra infecções por SARS-CoV-2. Os resultados da pesquisa impactarão a saúde pública na população brasileira.

Por meio do programa de parceria para pesquisas científicas Oracle for Research (OfR), a Oracle cedeu a capacidade computacional ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), que lidera a frente de descoberta de medicamentos no âmbito da Rede Vírus do MCTIC.

A Oracle disponibilizou créditos de Oracle Cloud Infrastructure High Performance Computing (HPC), solução em nuvem para processamento de alto desempenho, que já estão em execução e auxiliando os pesquisadores do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio) do CNPEM.

De acordo com Paulo Oliveira, coordenador da área de biologia computacional do LNBio/CNPEM, o uso de tecnologia é essencial na busca por tratamentos para a Covid-19. “Criamos uma força-tarefa multidisciplinar  envolvendo virologistas, bioquímicos, médicos, farmacologistas, biologistas estruturais e cientistas da computação para descobrir formas de combater essa doença. Dada a urgência do desenvolvimento de tratamentos e a necessidade de conhecer os detalhes moleculares do vírus, a utilização de simulações computacionais e aplicação de técnicas de aprendizado de máquina são cruciais para acelerar o processo de descoberta. Neste sentido, a parceria com a Oracle trará  ferramentas que podem acelerar nossa pesquisa”.

Para a Oracle, a tecnologia é um dos caminhos para as descobertas na saúde. “A inovação é fundamental para colaborar com a sociedade, ajudando tanto na identificação de casos, como na agilidade do tratamento. Vemos que a tecnologia vai além das soluções, pois ela prioriza o fator humano e, mais do que nunca, essa deve ser a premissa de qualquer descoberta”, disse João Pacheco, vice-presidente de Setor Público da Oracle Brasil.